Numa era em que temos o poder de aceder a conhecimento, instituições ou pessoas de qualquer parte do mundo e em qualquer fuso horário à distância de segundos, o espaço para eventos ao vivo está cada vez maior. Há uma necessidade crescente de estarmos juntos, ouvir, pensar, debater e crescer em conjunto. Nesta era, também o digital pode funcionar como um catalisador de relações humanas que potenciam ainda mais a experiência do evento, dando-lhe consequência e continuidade no tempo.
"

Apesar do digital estar no centro do nosso mundo, o live está mais popular do que nunca (…) a necessidade de estar presente, de estabelecer uma ligação com seres humanos e ouvir pessoas ao vivo parece ser o paradoxo desta era”.

As palavras de Ariana Huffington não podiam ser mais certeiras, todos as sentimos. Hoje em dia, os eventos reúnem pessoas em experiências de aprendizagem, entretenimento e socialização de todos os tipos. Dos festivais de verão, semanas da moda e concursos de talento às conferências e eventos corporativos, há sempre uma ambição ou interesse comum que nos atrai, um programa que nos envolve e uma dinâmica especial que nos faz interagir com os restantes participantes, oradores, formadores e até mesmo artistas.

Os eventos são experiências humanas e, por isso, têm uma capacidade de inspirar e criar laços que não existe em qualquer outro tipo de media.

O que é que os eventos oferecem de novo?

A importância das conferências e dos eventos corporativos, por exemplo, está a crescer bastante. Há partilha de conhecimento, debates, interações formais e informais, consciencialização, confrontação, desafios, ambições, alinhamento, dinâmicas, networking, entre inúmeros elementos que geram oportunidades de crescimento individual e coletivo. Quando são públicos, estes eventos oferecem ainda visibilidade às marcas que os promovem ou patrocinam. Quando são apenas internos, há um reforço da marca corporativa, dos seus valores e ambições, perante os colaboradores da empresa.

Os eventos criam histórias, dão-lhes vida e as pessoas vivem e desempenham papéis nessas histórias que os eventos formam. Quem vai a eventos, não vai apenas para ouvir os oradores ou artistas no palco, mas também para aprender, interagir e divertir-se numa comunidade que partilha os seus interesses, gostos ou ideias. Por outras palavras, podemos dizer que os oradores, artistas, formadores e participantes cocriam e partilham uma experiência real que é única porque é deles, não pode ser repetida. São estas características das experiências ao vivo que encontramos nos eventos e que não são comparáveis a qualquer experiência digital em termos de intensidade e emoção.

Mas, porque é que há cada vez mais espaço para eventos na era digital?

1. O ser humano precisa de encontrar um equilíbrio entre o seu eu-digital e as suas necessidades humanas

O digital entrou na nossa vida e a tecnologia evoluiu exponencialmente, oferecendo-nos poderosos instrumentos de interação, trabalho e entretenimento que usamos a toda hora e que cabem na palma da nossa mão. Hoje, por motivos pessoais ou profissionais, estamos sempre ligados ao mundo. Esta capacidade é poderosíssima, mas também algo frenética e individualista. Hoje em dia, temos acesso a muito conteúdo, muitas pessoas e muitas instituições em qualquer parte do mundo, o que é incrivelmente positivo. No entanto, falta-nos o contacto humano e a integração nos sistemas sociais que têm um significado profundo para nós enquanto seres humanos porque nos permitem viver e crescer melhor. Para contrabalançar o nosso eu-digital, estamos a ganhar uma nova consciência das nossas necessidades humanas, o que nos leva a procurar estar presentes em mais eventos na nossa vida.

2. A indústria dos eventos está a evoluir positivamente para criar experiências cada vez mais completas

É preciso enfatizar também a evolução da indústria dos eventos que melhorou significativamente em todas as dimensões – conceito, conteúdos, produção e dinâmicas de envolvência. Os eventos estão a tornar-se cada vez mais atrativos, melhor direcionados para os seus públicos e melhor executados. Por isso, as pessoas gostam cada vez mais de participar em bons eventos nas suas áreas de interesse. E têm essa disponibilidade e essa vontade. A oferta é cada vez maior, a indústria cada vez mais competitiva e, consequentemente, há cada vez mais espaço para os bons eventos.

3. As plataformas digitais encorajam a interação humana durante os eventos

Um ponto interessante para concluir é o papel que a tecnologia tem na evolução dos eventos como catalisador do humanismo que caracteriza as experiências ao vivo contemporâneas. A realidade é que, durante os eventos, as pessoas procuram o contacto cara a cara, mas as plataformas digitais permitem ampliar a capacidade de contacto, oferecendo novas formas de interagir, cocriar, entregar e viver experiências. Com o apoio da tecnologia, os participantes podem ir-se conhecendo melhor, marcar encontros, colocar questões, responder a questionários, participar em sondagens, fundar comunidades dentro das comunidades, enviar comentários e sugestões à organização e, claro manter contacto depois do evento ter terminado. No fundo, todas estas dinâmicas digitais que surgiram nos eventos geram relações humanas que são enriquecedoras e impactantes, o que não seria possível sem o digital nos eventos. O digital pode amplificar o significado e estender no tempo e nos espaços as relações humanas, o que é extremamente positivo.

Reforço do paradoxo

Neste contexto, é interessante ver o paradoxo inicial, introduzido por Ariana Huffington, reforçado. Por outras palavras, o digital e os eventos vão andar de mãos dadas durante muito tempo nas nossas vidas. E todos podemos crescer mais e melhor.

Publicado em 
23/10/2018
 na área de 
Marketing & Vendas

Mais artigos de

Marketing & Vendas

VER TODOS

Join Our Newsletter and Get the Latest
Posts to Your Inbox

No spam ever. Read our Privacy Policy
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.