Nas minhas conferências e formações a expressão “Você é um acelerador de pessoas” começou a ser repetida. Ao refletir sobre a mesma, algumas perguntas surgiram logo de cara.
O

que significa, realmente, “acelerar pessoas”?

O mundo no qual vivemos já não está suficientemente acelerado?

Será que as pessoas não precisam pôr o pé no travão em vez de acelerar?

As respostas apontam para uma combinação de tudo. O problema não é acelerar, mas acelerar sem direção, como numa montanha-russa, que vai do nada a lugar nenhum. É acelerar quando é hora de parar, e parar quando é hora de acelerar.

Observo à minha volta pessoas a queixarem-se de uma sensação de frustração constante. De não conseguirem tirar os sonhos do papel, ou de os terem deixado para trás, em alguma curva do caminho. 

Porém, tal como disse o professor de psicologia da Universidade de Illinois, O.H. Mowrer, se a felicidade representa o principal objetivo do esforço humano, a frustração é a sua antítese.  O verbo frustrar vem do latim, significa “fazer algo em vão”. E os investigadores que se dedicam ao assunto chegaram à mesma conclusão. 

Segundo a ciência, a frustração ocorre quando uma pessoa age, continuamente, com a expectativa de obter alguma gratificação ou um resultado desejado, mas simplesmente não alcança aquilo que quer. Para investigar o que acontece no cérebro humano quando alguém é submetido à frustração, cientistas recorreram à neuroimagem. E descobriram que a frustração provoca mudanças na atividade cerebral nas mesmas estruturas afetadas quando passamos por uma crise aguda de stress

Após um evento frustrante, a nossa resposta emocional é o stress, a irritação, a tristeza, a raiva e a agressividade, elementos que, combinados em diferentes proporções, constituem o que chamamos de frustração – ou, em suma, o oposto da felicidade. 

Não seria exagero dizer que hoje vivemos numa “epidemia de frustração”, pelo mundo fora, crises económicas, políticas, financeiras e morais servem de combustível à nossa frustração do dia a dia. No entanto, se há algo que aprendi na minha jornada é que para chegar ao sucesso – e sucesso, aqui, significa alcançar aquilo que quer na vida – é preciso aprender a superar a frustração, que nada mais é do que o maior de todos os “desaceleradores” de pessoas que conheço. 

Até pode achar que está a acelerar, que a sua rotina se resume a correr sem parar, de um lado para o outro, para cima e para baixo. Contudo, se toda essa correria não o está a levar para onde quer, na realidade não está a acelerar – está apenas a frustrar-se. 

Na raiz da frustração está a sensação de impotência, de não termos controlo ou poder para superar barreiras que nos separam dos nossos objetivos.

O trabalho, assim, começa de dentro para fora. Trata-se de recuperar o controlo e a alegria de viver, o foco e a energia, o senso de direção e o poder de nos conectarmos aos nossos semelhantes, de investir naquilo que acreditamos e de ir do sonho à realização. De saber como empreender, como superar e, apesar dos obstáculos, como desfrutar do percurso com o prazer e a entrega de quem descobriu – ou redescobriu – quem é e o que quer nesta incrível jornada que chamamos de vida. 

Foi assim que, a partir de uma reflexão sobre o que significa ser um “acelerador de pessoas”, cheguei à seguinte conclusão: trata-se de colocar a minha experiência e a minha história de vida ao serviço daqueles que querem trocar o verbo frustrar pelo verbo realizar – e querem fazer isso rápido, muito rápido! 

Com estes pensamentos em mente, comecei as minhas pesquisas. Descobri que confirmavam o que minha a experiência já me dizia. ACELERAR é um processo, uma rota, uma vez que traçar o percurso é a condição essencial para que possa aumentar a velocidade com segurança. 

Para facilitar a esta jornada criei um anacronismo constituído por 8 fases:

Fase 1 - AAcreditar

O ponto de partida é ter um sonho e acreditar nele. O que significa acreditar e porque é que isso é tão poderoso? Como é que a crença se distingue de um simples pensamento mágico? E quanto às crenças que atrapalham as suas ações, como livrar-se delas? Que crenças o alimentam? Qual é o seu combustível? Qual acredita que seja o destino de sua jornada? Como conectar-se novamente a esse destino?

Fase 2CConectar

Aqui veremos qual é a base dos bons relacionamentos; como reunir as pessoas certas para que comece a acelerar. Vamos aprender a criar um mastermind realmente poderoso, que segundo Napoleon Hill significa “a coordenação de conhecimento e esforço de duas ou mais pessoas, que trabalham em direção a um propósito definido, em espírito de harmonia”

Fase 3EEscolher/Educar 

Ao resgatar sonhos, rever crenças e conectar-se com pessoas, muitas ideias e opções começarão a surgir. Que caminho seguir? Para onde direcionar os seus esforços e a energia vital recém-conquistada? Este é um momento crucial, pois uma escolha equivocada ou ilusória pode levá-lo de volta à frustração. Para distinguir um verdadeiro chamado de um “canto de sereia”, precisamos educar-nos, o que envolve informação, autoconhecimento e preparo. 

Fase 4LLibertar-se

Pensar fora da caixa, livrar-se de tudo aquilo que o pode estar a limitar, buscar o novo, ousar – é disso que trataremos aqui. Para acelerar, a ponto de alcançar a esfera dos grandes empreendedores, é necessário cortar amarras. Aqui veremos como acelerar o seu negócio ou a sua carreira (caso seja um intra-empreendedor) – seja qual for o ponto em que estiver.

Fase 5 – E – Expandir

Depois de se libertar, é o momento de se expandir, ampliar horizontes, permitir-se a voos mais altos e acelerar ainda mais. Vamos falar de estratégia, de planeamento e de visão: que futuro quer construir e para o quê? Que recursos precisa e como obtê-los rapidamente? E o que precisa desenvolver para ser a pessoa que quer ser?

Fase 6RRestaurar

Chegou o momento de aprender um segredo essencial da aceleração: a pausa. Se numa viagem de carro precisa parar para abastecer — e se até mesmo em numa corrida de Fórmula 1 isso é necessário – na sua jornada pessoal as coisas não são diferentes. O risco de acelerar sem parar é fatal: acaba sem energia quando mais precisa dela. Vamos falar do stress e do burnout, e de como evitá-los de modo a renovar as energias e prosseguir com mais prazer, disposição e, por que não, com mais felicidade. O professor Tal Ben-Sharar, cujo curso sobre felicidade foi o mais frequentado da história da Universidade de Harvard, tem algumas lições importantes a ensinar-nos sobre isso.  

Fase 7AAgir

Ação consciente e voltada para os resultados, persistência, estratégia e autodisciplina – estas são as “armas” do bom “acelerador”, ou seja, daquela pessoa que acelera porque sabe muito bem onde quer chegar. É aqui que começam a distinguir-se os maratonistas de ocasião dos verdadeiros campeões. Força de vontade e automotivação são as palavras-chave. No entanto, o que a experiência nos mostra, a ciência comprova: não estamos a falar de características inatas, mas de competências que podem ser desenvolvidas. Aqui, saberá como. 

Fase 8 R Renascer/Reinventar

A jornada ainda não chegou ao fim e, talvez nunca chegue. Esta é a nossa grande descoberta final. O destino que traçou no início é apenas uma etapa. Novas ideias virão, novas realizações, novas conquistas. Acomodar-se ao sucesso é mais uma receita para a frustração. É preciso saber como se recriar, reinventar-se e até mesmo renascer. O sonho continua enquanto vivermos. E enquanto inventarmos novos modos de acelerar.

Publicado em 
17/9/2019
 na área de 
Liderança & Pessoas

Mais artigos de

Liderança & Pessoas

VER TODOS

Join Our Newsletter and Get the Latest
Posts to Your Inbox

No spam ever. Read our Privacy Policy
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.