Nova SBE

Paradoxos da Liderança

22 de Maio de 2020 por Miguel Pina e Cunha

"Os verdadeiros líderes vivem vidas paradoxais, em que se veem obrigados a quebrar regras para poderem mantê-las." - Beau Willimon, argumentista da House of Cards

Artigo de Arménio Rego e Miguel Pina e Cunha | Leitura de 2 minutos
13

Hunters Race

Os líderes necessitam de realizar um equilíbrio constante entre desafios frequentemente contraditórios. Num ambiente de globalização e perante os diferentes desafios colocados por uma multiplicidade de partes interessadas, frequentemente conflituantes, o paradoxo «é o novo normal». Os líderes precisam de aprender a lidar com situações ambíguas e com dilemas complicados. Precisam de desenvolver técnicas de pensamento que lhe permitam encontrar novas soluções no confronto de opostos. Necessitam de um quadro mental paradoxal.

Goddard e Eccles, num livro dando conta de que o bom senso na gestão é raro, e que a falta de senso é frequente, escreveram:

«Os gestores estão colocados numa posição desconfortável. Espera-se que, nas promoções para o próximo patamar, concorram com os seus pares, ao mesmo tempo que se espera que sejam exemplares jogadores de equipa, colaborando natural e generosamente com esses mesmos colegas. Espera-se que sejam empreendedores, colocando a sua carreira e a sua segurança financeira em risco em prol dos acionistas, mas também se espera que atuem como burocratas modelares e cidadãos organizacionais, cumprindo obediente e desinteressadamente os regulamentos e as regras colocadas no seu caminho. Espera-se que sejam agentes dos acionistas, alinhando os seus interesses com os interesses dos proprietários, mas também se lhes requer que atuem com integridade como líderes, sejam fiéis aos seus valores, e exercitem o seu próprio julgamento. Espera-se que criem valor para os acionistas, mas que também equilibrem os interesses de uma grande variedade de outros stakeholders cujos interesses na organização podem ser mais fracos e menos óbvios, mas cuja capacidade para criar problemas é por demais evidente».

Ou seja, espera-se que os líderes sejam equilibristas sem tombarem no precipício dos maus resultados. Para discutirmos com maior detalhe esse equilibrismo permanente, discutimos três grandes zonas, cada uma com nove contradições. A primeira zona, envolve contradições relacionadas com virtudes e virtuosidade. Trata, sobretudo, do modo como o líder se lidera a si próprio. Em síntese, argumentamos o seguinte:

  • As forças de um líder podem enfraquecê-lo, e as fraquezas podem transformar-se em forças.

  • A coragem deve ser cautelosa, e a cautela pode ser um auxílio à coragem.

  • A humildade deve ser confiante, e a confiança deve ser humilde.

  • A autenticidade pode ser adaptável, e a adaptabilidade pode ser autêntica.

  • O humor pode ser sério, e a seriedade pode ser alegre.

  • A generosidade requer atenção aos interesses próprios, e a prossecução destes requer generosidade.

  • O risco requer prudência, e a prudência recomenda que se arrisque.

  • O otimismo realista requer algum pessimismo, e o pessimismo pode gerar otimismo.

  • A inteligência pode originar decisões pouco inteligentes, e a ausência de brilhantismo cognitivo pode ser útil para tomar decisões inteligentes.

 

Este artigo é uma transcrição da obra "Paradoxos da Liderança" da autoria de Arménio Rego e Miguel Pina e Cunha, assim estes materiais estão protegidos por direitos de autor. Poderá apenas consultá-los no âmbito da sua esfera privada. Qualquer cópia ou distribuição está proibida.

Para reservar o seu exemplar basta enviar um e-mail para sílabo@silabo.pt com os seguintes dados: Assunto - reserva do livro "Paradoxos da Liderança" | Nome | Morada | E-mail de contacto (se diferente do de envio) | Corpo do e-mail - Pretendo reservar e receber um exemplar do livro "Paradoxos da Liderança", logo após a sua publicação.


Liderança Eficaz

Tópicos: Artigos de Opinião, Liderança & Pessoas

Miguel Pina e Cunha

Publicado por: Miguel Pina e Cunha

Subscreva o nosso Blog

 

Nova SBE

Quer escrever
para o Blog?

Saber mais