Nova SBE

A importância da Gestão na Advocacia

7 de Fevereiro de 2020 por Martim Krupenski

«Quem só sabe de direito, nem de direito sabe». Esta frase, muito querida ao nosso sócio fundador, José Manuel Galvão Teles, tem sido dita, redita e glosada aqui na Morais Leitão, e encerra em si mesma toda uma forma de estar na advocacia.

Artigo de Martim Krupenski |Leitura de 3 minutos
A importância da Gestão na Advocacia-1

Melinda Gimpel

A especialização e a compartimentalização (ou fragmentação) do conhecimento é simultaneamente uma das grandes virtudes e um dos maiores escolhos do nosso tempo (ao exercício da advocacia, mas não só, claro). É uma virtude porque as novas gerações têm um nível de preparação técnica (no nosso caso, jurídica) fantástica. É também, porém, um escolho porque há um excessivo "afunilamento" do saber.

A sociedade atual é uma sociedade marcadamente tecnocrática e valoriza muito a especialização do conhecimento. Especialização por área do conhecimento. Especialização dentro dessa área do conhecimento. E especialização dentro dessa especialização. Uma matriosca de especializações, para usar uma expressão cara ao Ricardo Araújo Pereira. Na city, hoje um bom advogado especializa-se por exemplo em corporate, mas especificamente em M&A, e mais especificamente ainda, em M&A de empresas do setor de TMT. Domina completamente, esperamos, o seu pequeno nicho de conhecimento.

Essa especialização tem aspetos de grande utilidade e é evidente que não é possível saber tudo sobre tudo. Mas é fundamental saber alguma coisa sobre muita coisa. Nem o conhecimento nem a respetiva utilização no exercício da profissão são estanques. Saber um pouco de economia, de lógica, mas também de filosofia, de arte, etc. ajuda muito no exercício da advocacia. Não é uma ajuda tão tangível quanto conhecer a jurisprudência mais recente do STJ na nossa (sub)área de especialização, mas é tão ou mais importante (deixo de fora por economia de espaço as denominadas soft skills, mas que são evidente e igualmente indispensáveis ao exercício da advocacia ou de praticamente qualquer outra profissão).

Quem só sabe de direito, nem de direito sabe. Não tenho dúvidas de que um indivíduo (ou uma máquina…) «ideal», que saiba tudo sobre M&A de empresas de TMT mas nada sobre qualquer outro ramo do conhecimento, dará um mau advogado.

É desta consciência que resulta a grande preocupação da Morais Leitão em abranger na sua formação aos advogados inúmeros ramos do saber. Previamente, ainda na fase do recrutamento, privilegia quem mostre interesse em saber alguma coisa sobre muita coisa – privilegia quem demonstre uma muito saudável curiosidade pelas coisas.

E daí a importância também da gestão na advocacia, uma das traves mestras do programa de formação da Morais Leitão, que temos vindo a desenvolver em programas anuais.

Um advogado não é uma máquina de "cuspir" soluções jurídicas para problemas concretos. Aliás, se assim fosse, a sustentabilidade da profissão estava seriamente ameaçada. Como ponto de partida, é evidentemente fundamental ter conhecimentos técnico-jurídicos muitíssimo sólidos. Mas não chega: numa sociedade de advogados, grande parte do trabalho envolvido num processo não é trabalho jurídico. É trabalho de gestão interna e externa. É, também, saber atuar na cadeia de valor que vai desde a proposta de serviços até à faturação e à cobrança dos serviços prestados. E para isso é indispensável ter noções de gestão: saber lidar com e gerir equipas, gerir projetos, medir rentabilidades e outros indicadores de gestão, lidar com clientes, ter estratégias adequadas de negociação, etc., etc.

Com a Nova SBE, construímos um programa de formação customizado, à medida da advocacia e das características particulares do setor. Pelo menos esta trave mestra já não nos foge.

Este artigo foi desenvolvido pelo advogado e diretor de Operações, RH & Formação, Martim Krupenski, no âmbito do programa customizado “Advogado Gestor de Projeto” cocriado pela Nova SBE e pela Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados – Sociedade de Advogados, SP, RL.

 

Tópicos: Artigos de Opinião, Setorial

Martim Krupenski

Publicado por: Martim Krupenski

Subscreva o nosso Blog

 

Nova SBE

Quer escrever
para o Blog?

Saber mais